Plano de saúde: Como funciona a carência?

Apesar de ser algo comum, a carência nos planos de saúde ainda causa dúvidas em muitos usuários. É recomendado verificar o que o contrato explica sobre cada modalidade, mas, antes de escolher a cobertura ideal para você, entenda como a carência funciona!

 

A carência é o tempo que você deve esperar para utilizar seu plano em determinados procedimentos. Os prazos são regulamentados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), havendo ainda a possibilidade de contratar planos sem carência.

 

A partir do momento do contrato, esses são os períodos que você deve aguardar de acordo com cada tipo de procedimento:

 

  • 24 horas: para casos de urgência ou emergência, acidentes pessoais, complicações na gestação, lesões graves e casos em que há risco de vida.
  • 180 dias: Nas demais situações, exceto parto ou doenças preexistentes, como exames de imagem ou cirurgias.
  • 300 dias: Para a realização de partos a partir da 38ª semana. No entanto, em caso de parto prematuro ou que se enquadre em urgência, pode ser feito em 180 dias.
  • 24 meses: Nos casos em que há doença ou lesão preexistente no momento da contratação. Para isso, o beneficiário passa por perícia no momento da contratação.

 

Vale lembrar que cada período é o máximo que a operadora pode exigir, não sendo permitido que o usuário espere mais do que isso. Existem planos que podem exigir um tempo menor do que o previsto, o que você poderá conferir na apólice. 

 

Há ainda a possibilidade de pagar agravo, ou seja, um valor adicional desde o começo do contrato para ter direito aos atendimentos sem aguardar pelos 24 meses em casos de doença ou lesão preexistente. Essa opção passou a ser obrigatória em 1999. Mas é necessário ficar atento, pois essa alternativa não está disponível para planos com mais de 50 participantes!

 

Não há período de carência em casos de planos de saúde empresariais para 30 pessoas, mas se você tem uma pequena ou média empresa, fique atento aos prazos de cada procedimento.

 

Não deixe de verificar todas as regras no momento da contratação!

 

Fontes: http://www.ans.gov.br/planos-de-saude-e-operadoras/espaco-do-consumidor/48-planos-de-saude-e-operadoras/espaco-do-consumidor/perguntas-frequentes/755-quanto-tempo-e-preciso-aguardar-ate-poder-ser-atendido-ao-contratar-um-plano-de-saude

https://idec.org.br/consultas/dicas-e-direitos/pagamento-de-agravo-o-que-diz-a-lei

Planos de saúde deverão seguir percentual negativo nos reajustes, confira!

A Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) acaba de definir o percentual máximo de reajuste para planos de saúde individuais, cujo índice será de -8,19%. A medida vale para o período entre maio de 2021 e abril de 2022 e acontece após a queda das despesas assistenciais no setor em 2020, graças à pandemia de Covid-19. 

 

Isso significa uma redução na mensalidade, válida para todas as operadoras, a ser aplicada a partir da data de aniversário do contrato. O resultado negativo, de acordo com a ANS, ocorreu pela redução no uso de serviços na saúde suplementar. Com as medidas para diminuir a transmissão do vírus, menos usuários buscaram atendimentos que não fossem urgentes, como consultas, exames e internações, culminando em uma queda significativa se comparados com os anos anteriores.

 

Com a definição, a agência assegura que a relação contratual permanece seguindo as regras. O cálculo tem base na combinação entre a variação das despesas assistenciais com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e é válido para os planos individuais ou familiares médico-hospitalares regulamentados. Isso abrange 17% dos beneficiários, cerca de 8 milhões de usuários.

 

Fique atento aos seus boletos de pagamento para conferir se o percentual está sendo aplicado corretamente e na data estipulada! Lembre-se que as parcelas relativas ao período de setembro a dezembro de 2020 permanecem com os valores normais.

 

Se você deseja contratar um novo plano de saúde e quer entender tudo sobre reajustes, entre em contato com os especialistas da Global Opsi!

Fonte: https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/noticias/beneficiario/ans-define-percentual-negativo-de-reajuste-para-planos-de-saude-individuais  

Covid-19: Número de beneficiários de planos de saúde é o maior em quase cinco anos

Com a pandemia de Covid-19, os planos de saúde registram o maior número de beneficiários em quase cinco anos. Essa é uma das informações reveladas na nova edição do Boletim Covid-19, disponível no portal da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que reúne indicadores coletados até abril de 2021 entre diversas operadoras. Além de mostrar o número de adesões a planos de assistência médica, o boletim também reúne informações sobre o número de exames relacionados à Covid-19 que foram realizados pelos usuários.

 

A tendência tem permanecido, o que ressalta a importância de contar com um plano de saúde de qualidade durante a pandemia. Porém, houveram algumas mudanças, como a redução na ocupação de leitos por atendimentos relacionados ao vírus, que caiu de 79% para 72%. As informações incluem tanto as coberturas para leitos comuns, quanto os de UTI.

 

Ainda assim, em abril, o número de novos clientes atingiu 48.103.656 usuários, um aumento de 0,26% em relação a março, sendo o maior número registrado desde julho de 2016. O crescimento aconteceu em todas as modalidades, em especial nos planos coletivos empresariais, que cresceram 3,15%. Ou seja, cada vez mais gestores estão preocupados em manter a saúde dos colaboradores e reduzir custos.

 

Houve ainda uma melhora no atendimento, culminando em uma queda de reclamações relacionadas à Covid-19 em abril, quando foram registradas 1324 queixas: 40% delas relacionadas à realização de exames e outros 46% se referindo a outras assistências também afetadas na pandemia.

 

Se você ainda não conta com um plano de saúde, fique atento! Esse é um período em que, mais do que nunca, a sua saúde deve ser priorizada.

 

A Global Opsi oferece planos de saúde empresariais e uma consultoria especializada, garantindo a segurança da sua equipe e uma vantagem competitiva para a sua empresa. Fale conosco!

 

Fonte:

https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/noticias/covid-19/planos-de-saude-numero-de-beneficiarios-e-o-maior-em-quase-cinco-anos  

Saiba mais sobre os reajustes dos custos nos planos de saúde para 2021

A pandemia do Coronavírus desencadeou inúmeras mudanças e readaptações em meio a rotina de pessoas no mundo inteiro. 

 

Uma delas foi a suspensão das cobranças referentes ao ajuste anual e por faixa etária de alguns dos  beneficiários de planos de saúde determinadas pela Agência de Saúde Suplementar, ANS, que teve como finalidade aliviar o bolso do consumidor sem que os contratos e regras fossem prejudicados.

 

Entretanto, no dia 19 de novembro de 2020, a ANS estabeleceu que todos os beneficiários que tiveram ininterruptas as cobranças do reajuste anual e por faixa etária entre setembro e dezembro do ano de 2020, terão que  ter parcelados, em doze meses ,o pagamento desses custos. As parcelas deverão ser diluídas em doze parcelas iguais e sucessivas, de janeiro a dezembro de 2021

 

Porém, de maneira excepcional, caso haja concordância entre as partes, é autorizada a recomposição da suspensão dos reajustes em número inferior ou superior de parcelas.

 

Os reajustes poderão ser empregados para os planos individuais regulamentados – contratados a partir do dia 02 de janeiro de 1999 ou que foram adaptados à Lei nº  9.656/98- e também para planos que são anteriores à Lei nº 9.656, que contém reajuste regulamentado por meio de Termos de Compromisso

 

Para que haja clareza para o consumidor no momento da cobrança, devem constar nos boletos – ou documentos- as demandas que forem equivalentes a parcela dos reajustes suspensos em 2020. Como por exemplo: o preço da mensalidade, da parcela relativa à recomposição e a informação sobre o número da parcela

 

Para maiores esclarecimentos, conte com o auxílio dos nossos consultores da Global Opsi! Temos o compromisso em fazer o melhor para você!

(21) 3349-3397 

(11) 4171-2480

E-mail: [email protected]

Seguro saude RJ

Saiba como reduzir seus custos ao contratar um seguro

Vivemos um momento de altos e baixos na economia, e por isso é importante que o(a) empreendedor(a) saiba fazer as melhores escolhas. Investir em um bom seguro, por exemplo, pode parecer caro, mas evita gastos a longo prazo! Mas tome cuidado e busque todas as informações necessárias antes de assinar uma apólice.

A redução de custos deve ser prioridade para manter uma empresa. Por isso mesmo, a contratação de seguros empresariais tem sido cada vez mais frequente. Ninguém está imune a um imprevisto como acidentes ou roubos, e é importante contar com uma forma de prevenção

A primeira coisa a se levar em consideração é se a cobertura é compatível com o valor dos seus ativos. Podem ocorrer danos e sinistros, porém é possível recuperá-los através da seguradora. Para isso, contar com uma corretora de seguros é essencial. Com ela, o empresário contará com especialistas que entendem os planos, a abrangência e as necessidades de cada negócio. Por isso, explique as especificidades do seu empreendimento: o profissional pode personalizar seu contrato.

Uma das maiores vantagens de contar com proteção é a segurança financeira, de forma que não comprometa o fluxo de caixa. Assim, não se perde dinheiro na hora de cobrir consertos e acidentes. Daí vem a importância de se avaliar o custo-benefício, pois é comum que o segurado precise arcar com uma parte dos custos. Na hora de contratar, muitas pessoas optam pelo plano mais barato e podem acabar tendo que gastar mais com o tempo. Alguns planos mais caros, no entanto, oferecem cobertura completa, possibilitando dessa forma um planejamento muito mais efetivo e claro, econômico.

Outra forma eficiente de fazer isso é oferecendo benefícios para os funcionários. Garantir um plano de saúde de qualidade e que forneça assistência aumenta a produtividade dos colaboradores. Além disso, itens como seguro de vida e vale alimentação incentivam e podem ser uma forma de otimizar os recursos. Mas é possível oferecer tudo isso por um menor valor, sem perder na excelência dos serviços que serão usados pelos funcionários. Os planos de saúde corporativos são uma boa opção, oferecendo preços competitivos

Realizar programas para promover a saúde, lembrando da importância da nutrição balanceada e exercícios é outra estratégia. Por último, há a coparticipação, em que eles pagam uma parte do valor das consultas e procedimentos.

É possível ter tranquilidade e evitar perdas sem prejudicar as finanças!