25/07 – Dia do Motorista: a importância da segurança na profissão

Criada para homenagear os profissionais que trabalham na estrada e lidam com riscos diários, a comemoração vem ganhando força no país. Nessa data, as cooperativas de cada estado organizam campanhas de conscientização, para que os profissionais façam a sua parte ao dirigir de forma responsável. A celebração é voltada para caminhoneiros e outros profissionais, mostrando o seu impacto no desenvolvimento econômico do país.

 

Inicialmente, a celebração teve origem como uma referência ao Dia de São Cristóvão, que é o padroeiro dessa classe. Hoje em dia, seu objetivo é enfatizar a ética e a resiliência dos motoristas, que percorrem longas distâncias para garantir o transporte de pessoas e itens essenciais. Na pandemia, essa importância foi ainda mais ressaltada graças à participação deles no transporte de medicamentos, equipamentos médicos e outros itens essenciais no combate ao Covid-19.

 

Atuar na área envolve grandes riscos, como roubos, acidentes nas estradas, entre outros. Por isso, nesse dia também é fundamental pensar em como evitar acidentes, sinistros ou extravios, através de uma forte gestão de risco em conjunto com a transportadora, parcerias com seguradoras de qualidade e atenção aos processos de monitoramento e rastreamento.

 

Além disso, são lembrados os avanços da classe ao longo dos anos, como a conquista de direitos como a Lei do Descanso e do Pagamento Eletrônico do Frete. Outro fator importante é a capacitação, que permite o pensamento estratégico e o uso de tecnologia para aprimorar seus serviços.

 

E, para que esses profissionais contem com toda a segurança possível, é essencial que a empresa conte com soluções em seguros de operadoras confiáveis. O Seguro de Frota de Veículos, por exemplo, contempla imprevistos como colisão, incêndio e roubos, com cobertura personalizável de acordo com as necessidades do negócio. Já o Seguro de Transportes inclui serviço de gerenciamento de riscos, uma análise detalhada das operações, além de cobertura nacional e internacional, tudo isso com uma contratação flexível.

 

Aqui na Global Opsi, você pode contratar esses e outros serviços e ainda conta com a análise de especialistas para escolher o seguro ideal! Entre em contato conosco!

Ocorreu o Sinistro. E agora?

logo_global_opsi[1]

OCORREU O SINISTRO. E AGORA?

A IMPORT�NCIA DA CORRETORA DE

SEGUROS.

A ocasi�o do sinistro � de fato, quando uma Corretora de Seguros mostra o seu valor. Esse � um dos momentos mais importantes para o segurado, pois acaba de sofrer um preju�zo, um dano.

O tamanho do impacto no neg�cio, tanto financeiro, quanto reputacional, pode variar muito e causar grandes transtornos a empresa segurada. O que ela precisa nesse momento � suporte, para ter a tranquilidade essencial para seguir em frente.

Nunca se sabe, quando ou onde v�o ocorrer, os sinistros podem ser muito variados e de grandes propor��es, com v�timas ou n�o, tais como: contamina��es ambientais, inc�ndios nas instala��es, acidentes com aeronaves, embarca��es, caminh�es ou composi��es ferrovi�rias, dano ou roubo de mercadorias e tantas outras situa��es que podem afetar o dia-a-dia da empresa segurada.

O papel de uma Corretora de Seguros � assessorar o Segurado em todos os passos que envolverem a regula��o de sinistros cobertos pelo programa de seguros contratado, desde o momento em que se tomou ci�ncia da ocorr�ncia at� a liquida��o do sinistro.

Principais atividades:

  • An�lise preliminar da ocorr�ncia;
  • Orienta��o ao Segurado sobre as provid�ncias que devem ser tomadas rapidamente;
  • Notificar a seguradora sobre o ocorrido e agendar a inspe��o no local;
  • Acompanhar o trabalho de campo;
  • Informar ao segurado sobre os procedimentos, documentos necess�rios e etapas do processo;
  • Interagir com a equipe da empresa segurada na elabora��o da reclama��o do preju�zo ocorrido;
  • Manter interlocu��o cont�nua com a seguradora;
  • Agendar reuni�es de esclarecimento sobre o sinistro, buscando a solu��o para poss�veis impasses.

Desde o in�cio do processo a corretora deve ajudar o Segurado a capturar o m�ximo de informa��es, para que posteriormente se possa fazer as an�lises necess�rias, a fim de evitar novos sinistro pela mesma causa. O ideal � alimentar o banco de dados de um sistema de gerenciamento de sinistros. Algumas Corretoras de Seguros fornecem o sistema, sem custos, para seus clientes.

O trabalho da�Global Opsi, e de seus parceiros, se inicia com o entendimento dos neg�cios dos nossos clientes e sobre a gest�o interna de riscos, identificando e avaliando todos os riscos inerentes ao neg�cio. Ap�s esta etapa, s�o fornecidas recomenda��es sob medida do que � considerado o mais adequado ao perfil de cada empresa.

Fa�a uma consulta. Pense nisso!

 

Luiz Mauricio Janela

Diretor Executivo da Global Opsi Corretora de Seguros

www.globalopsi.com

Perguntas mais frequentes sobre Seguros

1- As condi��es contratuais podem ser alteradas ap�s a emiss�o da ap�lice?

Podem. Mas, como qualquer altera��o contratual, depender� de comum acordo entre as partes (segurado e seguradora). No caso de seguros coletivos, as altera��es dependem da anu�ncia expressa de 3/4 do grupo interessado.

2- O que se entende por perda de direito?

Trata-se da ocorr�ncia de um fato que provoca a perda do direito do segurado � indeniza��o, ainda que, a princ�pio, o sinistro seja oriundo de um risco coberto, ficando, ent�o, a seguradora isenta de qualquer obriga��o decorrente do contrato.
Ocorre a perda de direito se:
– o sinistro ocorrer por culpa grave ou dolo do segurado ou benefici�rio do seguro;
– a reclama��o de indeniza��o por sinistro for fraudulenta ou de m�-f�;
– o segurado, corretor, benefici�rios ou ainda seus representantes e prepostos fizerem declara��es falsas ou, por qualquer meio, tentarem obter benef�cios il�citos do seguro;
– o segurado agravar intencionalmente o risco.
Al�m disso, se o segurado, seu representante, ou seu corretor de seguros fizer declara��es inexatas ou omitir circunst�ncias que possam influir na aceita��o da proposta ou no valor do pr�mio, ficar� prejudicado o direito � indeniza��o, al�m de estar o segurado obrigado ao pagamento do pr�mio vencido.

3- O que � pr�mio do

seguro?

� o valor que o segurado paga � seguradora pelo seguro para transferir a ela o risco previsto nas Condi��es Contratuais. Pagar o pr�mio � uma das principais obriga��es do segurado.

4- O que acontece se houver atraso nos pagamentos dos pr�mios?

O n�o pagamento do pr�mio nas datas previstas poder� acarretar a suspens�o ou at� mesmo o cancelamento do seguro, prejudicando o direito � indeniza��o, caso o sinistro ocorra ap�s a data de suspens�o ou cancelamento. As condi��es gerais, na cl�usula �pagamento de pr�mio�, dever�o informar em que hip�teses ocorrer�o a suspens�o e/ou o cancelamento do contrato em raz�o da falta de pagamento de pr�mio.

5- A seguradora poder� recusar a proposta?

Sim. A sociedade seguradora tem o prazo de 15 dias para se pronunciar quanto � proposta de seguro, seja para seguros novos ou renova��es, bem como para altera��es que impliquem modifica��o do risco, apresentada pelo segurado ou seu corretor. Encerrado este prazo, n�o tendo havido a recusa da seguradora, o seguro passa a ser considerado aceito.
No caso de recusa, a seguradora dever� comunicar formalmente ao segurado a n�o aceita��o do seguro, justificando a recusa.

6- Qual o prazo para receber a indeniza��o?

A liquida��o dos sinistros dever� ser feita num prazo n�o superior a 30 dias, contados a partir da entrega de todos os documentos b�sicos apresentados pelo segurado ou benefici�rio(s).
A contagem do prazo poder� ser suspensa quando, no caso de d�vida fundada e justific�vel, forem solicitados novos documentos, voltando a correr a partir do dia �til subseq�ente �quele em que forem completamente atendidas as exig�ncias pelo segurado ou benefici�rio.
� essencial que o segurado ou benefici�rio solicite � sociedade seguradora o devido protocolo que identifique a data do recebimento do aviso de sinistro e respectivos documentos.

 

 

Fonte: Susep