Corretora de Seguros RJ

Distúrbios do sono

O sono de má qualidade leva à redução do desempenho, prejudica o metabolismo, deixa o indivíduo mais cansado e irritado, aumenta o risco de acidentes e é fator de risco para várias doenças.

Em longo prazo, as consequências são graves: estresse, ansiedade e complicações gerais que podem levar às doenças cardiovasculares. Hoje, com o estresse do dia a dia em grandes cidades e o excesso de consumo de estimulantes externos como a cafeína, álcool e o açúcar, o sono é muito prejudicado.

Por isso, a avaliação do sono deve fazer parte da nossa rotina. Com o diagnóstico adequado, é possível tratar e melhorar a qualidade do sono.

Hoje existem óculos que bloqueiam os altos níveis de luz azul artificial emitidos por eletrônicos e seu uso está ajudando a combater a insônia. eles filtram a luz azul do espectro de cores visíveis quando você usa os dispositivos à noite.

Pesquisadores da Universidade de Columbia avaliaram o efeito do bloqueio da luz azul durante duas horas antes de dormir, por sete noites consecutivas, em indivíduos com sintomas de insânia. O estudo encontrou uma melhora estatisticamente significativa na qualidade, quantidade e solidez do sono com os óculos de bloqueio azul.

Corretora de Seguros RJ

Câncer de próstata

Depois dos tumores de pele, o câncer de próstata é o mais comum entre homens acima dos 50 anos. É também a segunda causa de morte por câncer nos países desenvolvidos. No Brasil, é responsável por 62 mil novos casos e 13 mil óbitos por ano.

A doença, em geral, evolui lentamente, por isso a importância do diagnóstico precoce. Sabe-se que um em cada seis homens terá o problema, mais frequente em negros e naqueles que possuem parentes de primeiro grau que tiveram câncer. Quando acomete homens com menos de 50 anos, pode estar associado a mutações genéticas hereditárias do gene BRCA 1 e/ou 2, o mesmo relacionado aos cânceres de mama e ovário nas mulheres. Na fase inicial, não costuma apresentar sintomas. Eles aparecem mais nos estágios avançados –  dores nas costas, nas pernas e nos quadris podem surgir em função da disseminação da doença para os ossos, por exemplo. É comum, no entanto, a presença de sinais de hiperplasia (aumento) da próstata, situação benigna que pode coexistir com o câncer e provocar diminuição na força do jato miccional, aumento na frequência das idas ao banheiro e esvaziamento incompleto da bexiga.

As diretrizes da Sociedade Brasileira de Urologia e da Associação Europeia de Urologia recomendam o rastreamento do câncer de próstata em homens a partir dos 50 anos ou a partir dos 45, no caso de negros e de homens com histórico familiar da doença.

Dois exames são essenciais para o diagnóstico:

A dosagem no sangue do PSA e o toque retal.

O PSA (Antígeno Prostático Específico, em português) é uma proteína que pode ser encontrada no tecido prostático, no sêmen e na corrente sanguínea.

Ela pode estar alterada em diferente contextos, como nas prostatites (infecções da próstata), hiperplasia e câncer. Um resultado normal no PSA, isoladamente, não exclui a possibilidade de haver um tumor maligno. Daí a necessidade do toque retal.

O câncer de próstata tem comportamento variável. Pode ser de baixa, intermediária e alta agressividade, estar localizado apenas na próstata, avançado localmente ou espalhado em outros órgãos.

Felizmente, quando a doença é detectada em fase inicial, a chance de cura ultrapassa os 90%. O diagnóstico precoce permite recuperar autoestima dos homens.

Corretora de Seguros RJ

Saúde ocular

A qualidade da visão e as condições oculares fazem parte dos cuidados para um estilo de vida saudável. Dormir mal pode causar vermelhidão ocular, vista cansada e inchaços. Além disso, o consumo de bebidas alcoólicas, falta de proteção à luz solar e lentes dos óculos mal ajustadas favorecem o envelhecimento precoce das células oculares.

O glaucoma é uma doença que acomete os olhos, provocada pela elevação da pressão ocular. O diagnóstico precoce é fundamental para evitar a cegueira, já que o glaucoma não tem cura e não apresenta sintomas.

Durante o exame oftalmológico realiza-se a medida da pressão intraocular, que permite o diagnóstico. Às vezes são necessários outros exames, como fundo de olho e campo visual. é importante avaliar os olhos anualmente para manter a boa saúde ocular.

Corretora de Seguros RJ

Doenças cardiovasculares

Sedentarismo, alimentação, hipertensão, tabagismo, estresse, obesidade, diabetes e colesterol alto são algumas condições de saúde cada vez mais presentes no dia a dia dos brasileiros, em razão das condições de vida da nossa sociedades. Todas as pressões do cotidiano e maus hábitos acabam maltratando nosso coração que, aos poucos, vai perdendo sua capacidade de funcionar corretamente e acaba aumentando de tamanho para compensar a necessidade de maior esforço. Essa disfunção é o que chamamos de insuficiência cardíaca.

As doenças cardiovasculares, afecções do coração e da circulação cardíaca representam a principal causa de mortes no Brasil – cerca de 40%de todas as mortes.

Hoje, a cada minuto, ocorre uma morte, tendo como causa a doença cardiovascular.

As doenças cardiovasculares causam:

  • 2 vezes mortes que todo os os tipos de câncer juntos;
  • 2,3 vezes mais mortes que acidentes e violência;
  • 3 vezes mais mortes que as doenças respiratórias;
  • 6,5 vezes mais mortes que todas as infecções, incluindo Aids.

Agr precocemente é uma das formas de retardar e até prevenir o infarto. O controle dos fatores de riscos cardiovasculares (fumo, pressão alta, colesterol alto, diabetes, aumento da cintura abdominal, estresse e ansiedade) e a adoção de um estilo de vida saudável podem reduzir o risco de infarto em mais de 85%.

É preciso focar no diagnóstico precoce

Durante o check-up médico, além do exame clínico detalhado, realizamos os exames necessários, entre eles: teste de esforço ecocardiograma, além de análise sanguíneas.

Além destes, é importante a avaliação das artérias cerebrais para diagnóstico precoce de lesões vasculares e a ultrassonografia abdominal para descartar o diagnóstico de aneurisma da aorta abdominal.

Para prevenir doenças cardiovasculares, recomenda-se praticar atividade física regularmente controlar o peso o diabetes, os níveis de colesterol e triglicérides , ter a alimentação balanceada e saudável, não fumar, evitar o excesso de bebidas alcoólicas e sal, gerenciar a pressão arterial, entre outras medidas para controlar ou evitar fatores de risco.

Fazer seguro para drones

DRONES E O MERCADO SEGURADOR
O uso comercial de drones – veículos aéreos não tripulados – foi regulamentado e aprovado no Brasil pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).Um dis pontos mais importantes da regulamentação é a exigência de autorização prévia para pilotar drones sobre pessoas. Sem essa autorização, será preciso respeitar uma distância de 30 metros.

Antes da regulamentação, o uso de drones já era permitido para atividades recreativas e competições. Entretanto, há muitas empresas com atividades ligadas a drones no Brasil, atuando desde a fabricação e manutenção do equipamento até a prestação de serviços, treinamento, tecnologia, seguros, entre outros.

 SEGURO DE DRONE

De olho nesse mercado, o GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE conta com o seguro de responsabilidade civil (RC) para drones, com cobertura similar à de aeronaves. A diferença é que, como um drone não leva passageiros e tripulantes, a principal cobertura é o dano causado a terceiros no solo. Outro produto com foco nesse segmento é o seguro para danos ao equipamento.
Com a aprovação das regras para o uso de drones, o seguro de RC se tornou obrigatório.
Entre os serviços prestados pelas empresas de drones, há o mapeamento de plantações e florestas; inspeção e monitoramento de obras; cobertura de eventos, jornalísticas; e captura de imagens para filmes, novelas e publicidade.
As atividades com grande potencial de crescimento são as ligadas ao setor de seguros patrimoniais, segurança privada e serviços de emergência.
Os drones são muito utilizados para a área de entretenimento. O número vem se multiplicando, mas muitos não possuem noção de captação de imagens, desconhecem os riscos envolvidos e a forma segura de operar o equipamento. Atualmente, a empresa que contrata o serviço de um drone é corresponsável por qualquer coisa que acontecer durante a utilização. Com o seguro de responsabilidade civil há mais segurança para trabalhar.

O mercado segurador nacional disponibiliza seguro para drones. A exigência é que o Drone esteja homologado e tenha autorização da ANAC para operar.
Para uma cotação do seguro para drones, são necessárias as seguintes informações:

  • Modelo & ano do drone
  • Valor de cobertura requerido
  • Uso do equipamento
  • Autorização da ANAC para operação
  • Quem irá operar, se tem experiência/treinamento (breve descritivo)
  • Nota Fiscal / Cupom / Invoice – comprovante do valor (obrigatório no fechamento)

Seguro Casco para Drones

Coberturas:
Danos Materiais decorrentes de Acidentes
Roubo (Mediante vestígios comprováveis da ocorrência. O simples desaparecimento do equipamento não garante cobertura)

Principais riscos excluídos no seguro para Drones:
1 – Danos causados propositalmente pelo segurado:
2 – Ocorrências fora dos níveis e ou locais autorizados e ou sem respeitar as distâncias mínimas de terceiros requeridas pelas agências reguladoras
3 – Ocorrência com operador não declarado na apólice e menor de 18 anos
4 – Desaparecimento inexplicável, qualquer modalidade de furto
5 – Uso, desgaste ou depreciação, quebra mecânica, elétrica, softwares, defeito de fabricação
6 – Equipamentos acoplados ao drone que não estejam contratados junto ao seguro
7 – Operação de Aeromodelos definidos pela ANAC

Observações importantes no seguro para Drones:  
1 – Caso contrate o seguro a cobertura está estritamente condicionada ao cumprimento integral por parte do segurado, das regulamentações aplicáveis em vigor (Anatel / Anac / DECEA).

2 – Para contratação do seguro o Drone deverá estar devidamente registrado junto a ANAC

3 – Em caso de venda, a cobertura não é automática ao novo dono, deve ser feito uma comunicação para seguradora para análise é possível emissão de endosso na apólice.

4 – Tabela de depreciação / Idade do equipamento
de 0 a 13 meses    – Não há redução

de 13 meses e 1 dia a 24 meses –  10%  de dedução do valor de compra

de 24 meses e 1 dia a 36 meses – 20% de dedução do valor de compra

A partir de 36 meses e 1 dia – 30% de dedução do valor de compra

5 – Em caso de sinistro a seguradora tem a opção de repor o Drone por outro equipamento ou autorizar o conserto ou reparo.

6 – Em caso de sinistro o segurado deve comunicar a seguradora imediatamente, registrar ocorrência junto as autorizadas se for o caso e não iniciar o reparo sem autorização da seguradora.

7 – Seguro só pode ser contratado para Drones de uso comercial registrado na ANAC.  Não pode ser contratado para uso recreativo.
Seguro Reta para Drones
Seguro obrigatório de Responsabilidade Civil para Drones (Reta)
Coberturas: Danos a Terceiros Terceiros No Solo: Pessoas e Bens no Solo
O valor a pagar do seguro (Prêmio) depende do Tipo e utilização do Drone

Importante:Cobertura destinada exclusivamente a terceiros que não tenham nenhuma relação com o segurado

Principais exclusões no seguro no seguro de responsabilidade civil para Drones:
1 – Operação fora dos padrões definidos pela regulamentação
2 – Ocorrências fora dos níveis e ou locais autorizados e ou sem respeitar as distâncias mínimas de terceiros requeridas pelas agências reguladoras
3 – Ocorrência com operador não declarado na apólice e menor de 18 anos
4 – Lucros cessantes e ou perdas emergentes de qualquer natureza
5 – Uso, desgaste ou depreciação, quebra mecânica, elétrica, softwares, defeito de fabricação
6 – Equipamentos acoplados ao drone que não estejam contratados junto ao seguro
7 – Operação de Aeromodelos definidos pela ANAC
8 – Seguro obrigatório para Drones com peso superior a 250g.


Informações importantes sobre o Drones

Tipos de Drones:

  • ASA FIXA
  • QUADRICÓPTEROS
  • HEXACÓPTEROS
  • VTOL
  • EASE
  • UGAV
  • Palm
  • FPV

Tamanhos

  • Micros – Até 2kg
  • Mini – Até 7Kg
  • Pequeno
  • Até 25Kg
  • Médio – Até 150 Kg
  • Grande – Mais de 150 Kg

Divisão por aplicação

  • Reconhecimento
  • Combate
  • Logística
  • Pesquisa e desenvolvimento
  • Civis
  • Comerciais
  • Filmagem

Asas: Fixas    (Utilizadas no apoio a agricultura de precisão) e Giratórias (Multirotores)

Mais informações sobre Drones:
Principais tipos de drones, as melhores marcas e modelos do mercado, cursos e como comprar.

O que é um Drone e qual sua Origem?

Podemos seguramente dizer que os Drones tem sua origem diretamente ligada ao aeromodelismo. Isso porque a origem da palavra Drone veio de um aeromodelo que em 1941 foi adquirido e adaptado pela marinha americana para realizar tarefas militares, esse aeromodelo foi chamado de “TDD-1 – Target DroneDenny 1″, que era usado como um alvo móvel para testes, sendo essa a primeira utilização do termo drone em um aeromodelo militar.
A partir de então a palavra drone passou a ser utilizada para designar Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT), que em sua origem eram exclusivamente utilizados para fins militares.
Ou seja, um drone nada mais é do que uma mini aeronave que é controlada através de um controle remoto, normalmente via rádio, que na prática é a mesma definição de um aeromodelo.
Atualmente o termo “drone” é utilizado muito mais para os quadricópteros, helicópteros e etc, que na verdade não têm o formato de um avião. No entanto, também é usado para definir os aviões não tripulados para fins militares.

Utilidades do Drone

O drone deixou de ser uma tecnologia usada exclusivamente para fins militares e, com a sua popularização, tem ganhado inúmeras utilizações do dia a dia.

Filmagens e Fotografias

Drones com câmeras tem sido muito utilizados para filmagens e fotografias aéreas, tanto para eventos e festas como para fins jornalísticos em coberturas de eventos esportivos, manifestações e etc. Ele permite registrar pontos de vista nunca antes explorados e por isso tem sido usados como diferencial por esses profissionais e empresas especializadas.

Entregas

Cada vez mais o uso de drones para entregas de produtos tem sido testado por grandes empresas, visando uma alternativa para realizar entregas de maneira mais rápida e econômica. Esse tipo de utilização já foi testado por grandes empresas como a Amazon e até mesmo a pizzaria Dominos.
Esse tipo de uso ainda precisa evoluir muito pois tem esbarrado principalmente no ponto da segurança e confirmação da entrega, mas parece ser uma questão de tempo.

Acesso a áreas de Risco

Outra utilização interessante é o uso do drone para apoio em áereas de risco, como desastres, incêndios e etc. Como exemplo podemos citar a área do acidente de Fukushima, em que Drones tem sido sido utilizados para acessar e coletar informações das áreas mais radioativas do acidente.

Uso Militar

Estes aparelhos continuam sendo utilizados para fazer reconhecimento de território e até para ataques militares em áreas de guerra declarada e contra o terrorismo. Além disso tem sido utilizado pelas polícias de grandes cidades para os fins de monitoração e localização, como exemplo podemos citar o uso dos drones nas operações nas favelas do Rio de Janeiro.

Entretenimento

Nos últimos anos, o uso de drones apenas para diversão cresceu muito. Isso porque surgiram no mercado diversos modelos com tamanhos e preços menos e em muitos casos bem acessíveis.
Além disso, os drones com câmeras também tem sido bastante procurados para registro de viagens, pelas imagens espetaculares que podem registrar.

Tipos de Drones

É possível encontrar no mercado diversos tipos de drones à venda, para as mais diferentes finalidades, seja para o uso profissional, seja para diversão. Vamos citar os mais conhecidos.

Quadricópteros – Esse é o modelo que possui 4 hélices é certamente o mais conhecido e utilizado pelo público em geral. Pode ser encontrando em uma enorme variedade de modelos, tamanhos e preços mas o mais popular é o Phantom da empresa DJI, que já inclui inclusive uma câmera acoplada.

Além do Phantom, há muitas outras opções de quadricópteros, até bem mais baratos que podem ser facilmente importados.

Hexa e Octocópteros – Possuindo respectivamente 6 e 8 hélices, esses modelos são mais utilizados para fins profissionais. São equipamentos mais robustos, com maior estabilidade, capacidade de carga e até redundância de motores.

Asa Fixa – Os drones de asa fixa tem mais um formato de um avião, como um aeromodelo, e são utilizados com finalidades mais específicas como monitoração e medição de grandes áreas, normalmente contando com câmeras, sensores térmicos e infravermelhos. Seu custo é bem elevado.

Mini Drones – Existem drones bem pequenos, até no tamanho de um chaveiro, que são usados exclusivamente como um hobby e diversão. Esses modelos poder ser mais baratos.

Melhores Marcas e Modelos de Drones
Quando se fala em drones, a principal referência é sempre o DJI Phantom.
DJI é uma empresa chinesa que se tornou referência no assunto principalmente devido aos seus modelos Phantom. No entanto, há diversas outras empresas no mercado sendo as principais a 3D Robotics (3DR), a Parrot e a Yunne. Além disso, outras empresas correm por fora com modelos de menor porte e preços mais baratos como a Syma, Multilaser e outras.

DJI Phantom 3 e 4 – O DJI Phantom 3 tornou-se referência e reconhecido como melhor drone do mercado, muito usado para fins profissionais mas também é comum o uso apenas para diversão, porém um custo mais alto.

O Phantom 3 possui 4 versões: Standard, Professional, Advanced e 4K. Podemos dizer que a melhor versão é a Professional, que possui navegação via GPS e Satélite, Waypoints, câmera com gravação de vídeo 4K, 25 minutos autonomia de voo, alcance de 5Km e diversas outras funcionalidades. Já a Phantom 3 Standard é mais barata, sem as funcionalidades mais avançadas dos outros modelos, com uma câmera excelente mas que não grava em 4K e um alcance reduzido a 1Km, mas ainda é um drone Top de linha.
Os preços do modelo “DJI Phantom” podem ser pesquisados nos sites da GeekBuing e BangGood.
Mais recentemente foi lançado o DJI Phantom 4 5 6 7 8 9, uma evolução do Phantom 3 Professional, com recursos mais avançados, um pouco mais de autonomia de voo, e diversas outras características. O Phantom 4 é mais recomendado para uso profissional. Outros modelos mais avançados da DJI são o Inspire e Mavic, também de alto custo e mais recomendado para uso profissional.

3DR Solo – Smart Drone – A 3D Robotics é uma das principais concorrentes da DJI no mercado, e o modelo 3DR Solo veio para rivalizar com o Phantom 3.

O principal diferencial é que o drone vem equipamento com uma câmera GoPro e tem seu foco no processamento inteligente que é utilizado para evitar colisões, função de follow e diversas outras funcionalidades avançadas.

AR Drone 2.0 – Outro concorrente do Phantom é o AR Drone produzido pela Parrot. Ele possui 2 modelos, Elite e Power Edition. Os modelos AR Drone Parrot são  um pouco mais simples, não possui todos os recursos dos drones da DJI e da 3DR, mas ainda é uma ótima escolha, custando um pouco menos, sendo muito indicado para uso doméstico e simpes diversão.

Outros Modelos – Yuneec Q500 4K, Syma X5C, Sky Laser – Multilaser, H-18 Intruder

Curso de Drones

Muitas pessoas acabam comprando drones errados ou quebrando o seu drone logo nos primeiros voo, o que nos casos dos drones mais profissionais como os da linha Phantom, pode causar um grande prejuízo.
Além disso, um drone não pode ser visto apenas como um brinquedo, o mau uso pode até machucar alguém, e além disso há regras da ANAC, ANATEL e DECEA (Força Aérea) que devem ser respeitadas.
Principalmente nas grandes cidades existem cursos específicos para manuseio dos drones que são altamente recomendados.
Outra opção são os cursos online, através de vídeo aulas gravadas, que são normalmente bem mais baratos, e acessíveis para qualquer pessoa com uma conexão à Internet.
Disciplina do Curso para Piloto de Drones:

  • Como operar seu drone com segurança
  • Os 10 erros mais comuns dos pilotos de drones
  • Os componentes básicos dos drones
  • Como cuidar bem da bateria
  • Os melhores acessórios para os drones
  • A regulamentação da ANAC, ANATEL e DECEA (Força Aérea)
  • Parte prática com simulador e aplicativos
  • Demonstrações práticas de uso e manobras com drones

Seguro de Proteção Societária. Pensando na Sobrevivência do Negócio e na Família

Empres�rios de qualquer segmento, qualquer tipo de neg�cio e faturamento tem a obriga��o de pensar sempre em maneiras mais avan�adas de gest�o. Bem, isso n�o � novidade. Contudo, normalmente, se deixa em segundo plano o desafio de pensar em como a empresa sobreviver� � aus�ncia de um

de seus s�cios, n�o do ponto de vista operacional, e sim da sucess�o.

Dentro da gest�o de risco empresarial, h� uma modalidade de preven��o que j� � rotineira no mundo. No Brasil ainda � pouco utilizada, mas rapidamente vem ganhando espa�o: o Seguro de

Prote��o Societ�ria.

Empresas familiares ou n�o, precisam pensar de forma pr�-ativa, em rela��o � sobreviv�ncia da empresa no caso da perda de um de seus s�cios. De maneira geral, quando isso acontece, entram em cena os escrit�rios de advocacia e contabilidade, que objetivam dar suporte na solu��o de um problema j� ocorrido, simplesmente uma rea��o ao fato.

A proposta do Seguro de Prote��o Societ�ria � ter uma postura pr�-ativa. Conversar com um especialista na �rea de seguros pode ser a maneira mais inteligente e eficaz de proteger o neg�cio. De certa forma, isso j� � feito, mas o foco est� direcionado para a cobertura das coisas materiais, por exemplo: seguros patrimoniais.

A morte prematura de um dos s�cios da empresa pode significar tamb�m a morte do neg�cio, al�m de outros s�rios problemas, tais como: brigas entre os s�cios remanescentes e herdeiros; e com isso obrigar que o neg�cio seja vendido para que os herdeiros sejam indenizados. Quem n�o conhece uma hist�ria dessas?

Os empres�rios devem se fazer algumas perguntas b�sicas, tais como:
1- O que acontecer� com o meu neg�cio quando eu n�o estiver mais por �aqui�, ou ficar inv�lido?

2- Se o meu s�cio �faltar� antes de mim, eu terei o dinheiro necess�rio para pagar os herdeiros?

3- Eu gostaria que a (o) esposa (o) ou a (o) filha (o) do meu s�cio viesse trabalhar na empresa?

Caso as respostas n�o sejam as melhores para a manuten��o do neg�cio, a solu��o pode ser um Seguro de Prote��o Societ�ria.

Por que se deve pensar no assunto?�

1- Para que o futuro financeiro dos herdeiros n�o seja prejudicado por um eventual momento negativo da empresa ou que o mercado possa vir a atravessar.

2- Para evitar que a empresa seja obrigada a receber sucessores despreparados para o neg�cio.

3- Essa quest�o deve ser decidida quando todos est�o bem e saud�veis. Pensar antes � um modo muito simples de assegurar a sobreviv�ncia do neg�cio.

Por que um seguro?

1- Porque significa dinheiro novo entrando na empresa, que n�o ser� impactada financeiramente. N�o ser� descapitalizada ou onerada em empr�stimos banc�rios.

2- Garante que haver� liquidez e o volume de recursos adequados para a aquisi��o da participa��o do s�cio que faleceu.

3- Porque uma ap�lice tem um custo relativamente baixo e � f�cil de administrar. Al�m disso, se o valor for recebido por pessoa f�sica, o benef�cio do seguro � isento da tributa��o de imposto de renda.

Para operacionalizar a solu��o, deve-se ajustar o contrato social, ou realizar um termo apartado, e fazer constar a regras acordadas entre os s�cios, seguem alguns pontos que deve ser inseridos:

1- A informa��o de que a empresa, direta ou indiretamente, manter� ap�lices de seguro de vida, tendo os s�cios como segurados no limite das suas participa��es societ�rias.

2- O valor da cobertura dever� refletir o valor de mercado da empresa, bem como os demais custos da sucess�o a ser realizada. Periodicamente ser� necess�rio rever os valores, ou sempre que algum fato relevante ocorrer.

3- Definir e constar se a empresa ser� a �nica benefici�ria da ap�lice, ou se os herdeiros de cada s�cio ser�o os benefici�rios.

4- Com os recursos da ap�lice, parte ou o total das cotas do s�cio que faleceu ser�o quitadas junto aos herdeiros, e haver� a dilui��o das cotas entre os s�cios remanescentes.

Temos a obriga��o de manter a empresa em atividade e de evitar que nossos entes queridos terminem em s�rias dificuldades financeiras.

Fa�a uma consulta.

Pense nisso!

Luiz Mauricio Janela

Diretor Executivo da Global Opsi Corretora de Seguros

www.globalopsi.com

O D&O representa proteção para a empresa, seus executivos e conselheiros

Sempre que terceiros se sentem prejudicados e recorrem aos tribunais, n�o s� a empresa est� em risco, mas tamb�m seus executivos, conselheiros e outros envolvidos no neg�cio.

�H� in�meros casos em que a Justi�a brasileira condena o administrador, como pessoa f�sica, e imp�e a ele o dever de indenizar quando ocorre abuso de direito, excesso de poder, infra��o � lei, viola��o dos estatutos ou contratos sociais, fal�ncia, estado de insolv�ncia, encerramento ou inatividade da pessoa jur�dica, entre outros aspectos.

O Seguro de Responsabilidade Civil para Gestores, ou D&O (Directors & Officers), tem por objetivo evitar perdas com despesas processuais. Por conta disso, transformou-se em um seguro imprescind�vel, quase que obrigat�rio, para a seguran�a financeira pessoal.

OBJETIVO

Garantir recursos financeiros para custas processuais e indeniza��es aos gestores em face de uma poss�vel desconsidera��o da personalidade jur�dica.

IMPORT�NCIA

Protege os ativos e recursos financeiros pessoais, pois proporciona coberturas para fazer frente a processos judiciais e extrajudiciais movidos por terceiros contra dirigentes, em face de atos de gest�o:

  • Direta e isoladamente;
  • Em conjunto com a empresa ou entidade;
  • Em decorr�ncia de uma responsabilidade pessoal, solid�ria, subsidi�ria ou devido � desconsidera��o da personalidade jur�dica; ou
  • Em a��o recebida ap�s o administrador deixar a entidade.

CONTRATA��O

Realizada pela�empresa ou entidade.

�PESSOA SEGURADA

E BENEFICI�RIOS

Qualquer pessoa que detenha poderes que impliquem em atos de gest�o no exerc�cio de tomada de decis�es e/ou autoridade diretiva, tais como:

  • Administradores / Gestores
  • Conselheiros
  • Diretores
  • Profissionais com poder de gest�o
  • Advogados internos com poderes de gest�o
  • C�njuge e companheiro em regime de uni�o est�vel
  • Herdeiros e representantes legais

�POTENCIAIS RECLAMANTES

Terceiros que se sentem prejudicados, a saber:

  • Funcion�rios
  • Entidades Reguladoras/Fisco/CADE
  • Credores
  • Clientes
  • Fornecedores
  • Acionistas (que n�o tenham poder de gest�o)
  • Comiss�o de Valores Mobili�rios (em empresas de capital aberto)
  • Outros (qualquer terceiro que se sinta prejudicado)

�PRINCIPAIS COBERTURAS DA AP�LICE

As coberturas podem variar de acordo com a Seguradora e com a op��o de ap�lice escolhida. Contudo, as mais usuais contam com as seguintes coberturas:

  • Indeniza��o em nome das Pessoas Seguradas;
  • Reembolso � Empresa / Entidade, caso indenize em nome das Pessoas Seguradas;
  • Adiantamento dos Custos de Defesa relacionado a Atos Dolosos at� transitados em julgado;
  • Reclama��es contra os Segurados no �mbito Tribut�rio (custos de defesa);
  • Reclama��es em �mbito trabalhista: prevalentemente ass�dio moral e sexual;
  • Custos de defesa em caso de aval e fian�a;
  • Custo de Defesa e Recolhimento de dep�sitos recursais, nos casos de aplica��o de multas administrativas contra os segurados;
  • Reclama��es contra os Segurados resultantes de erros e omiss�es na presta��o de servi�os profissionais da sociedade;
  • Despesas com Publicidade (Defesa de imagem pessoal), caso a Reclama��o coberta na ap�lice se torne p�blica;
  • Responsabilidade Solid�ria de Bens (C�njuge ou Uni�o Est�vel).

COTA��O COM PRATICIDADE

A cota��o � realizada de forma muito r�pida. As seguradoras analisam uma documenta��o b�sica composta de:

  • Question�rio de solicita��o do Seguro;
  • Balan�o anual dos dois �ltimos exerc�cios financeiros;
  • Demonstrativo financeiro do ano corrente, se decorridos seis meses;
  • Contrato Social / Estatuto e Organograma societ�rio da Empresa ou composi��o da Entidade.

C�LCULO DO PR�MIO

O pr�mio a ser pago baseia-se no estudo de perfil e da exposi��o de risco do caso espec�fico. � considerada a correla��o entre o limite de garantia e a taxa calculada.

Com a cobertura adequada, os envolvidos na gest�o dos neg�cios se sentem mais protegidos e motivados.

Fa�a uma consulta.

Pense nisso!

Luiz Mauricio Janela

Diretor Executivo da Global Opsi Corretora de Seguros

www.globalopsi.com

Com medo da inadimplência? Evite perdas financeiras

logo_global_opsi[1]

COM MEDO DA INADIMPLÊNCIA?

O SEGURO DE CRÉDITO PROTEGE SEUS RECEBÍVEIS E

EVITA PERDAS FINANCEIRAS

Uma apólice de Seguro de Crédito protege a empresa contra o risco de não recebimento pelas vendas de produtos ou serviços a prazo, tanto no mercado interno (doméstico), quanto no internacional.

Cobre transações entre empresas, nas vendas a prazo. Auxilia na recuperação de recebíveis e previne perdas financeiras, indenizando os títulos de créditos não pagos por motivos comerciais (falência, recuperação judicial ou simples mora) ou políticos.

As áreas de Tesouraria o utilizam largamente com a finalidade de melhorar as taxas bancárias, no desconto de recebíveis. Também são utilizadas apólices estruturadas para financiamentos de longo prazo, operações de funding e projetos diversos.

As apólices podem ser emitidas para uma gama ampla de empresas, tais como: prestadores de serviços, fabricantes, distribuidores e exportadores.

Há uma série de benefícios para as empresas, seguem alguns:

  • Prevenção e gerenciamento do Risco de Crédito;
  • Ampliação de market share, uma vez que o mercado segurador assume o risco de crédito em novos mercados e clientes atuais;
  • Análise e monitoramento da carteira de recebíveis por sistema on-line;
  • Crescimento sustentável da empresa;
  • Proteção do Contas a Receber, o ativo mais precioso da empresa;
  • Redução significativa do PDD – Provisão Devedores Duvidosos;
  • Maior credibilidade junto a Bancos, possibilitando taxas de financiamento menores, sendo uma opção mais rápida e econômica que a carta de crédito;
  • Maior credibilidade junto a fornecedores, principalmente internacionais;
  • Redução de custo de funding, pois sua carteira troca o risco sacado pelo risco do mercado segurador;
  • Aumento de liquidez.

As modalidades mais utilizadas são:

  • Globalidade – Toda a carteira de recebíveis é segurada.
  • Single Risk – Foco em um único risco e/ou operação estruturada.
  • Single Buyer – Cobre as operações de venda para um único comprador.
  • Securitização de Recebíveis – Utilizado com o objetivo de melhorar a taxa de recebíveis junto às instituições bancárias.

O custo de uma apólice de Seguro de Crédito é, em geral, muito menor que os demais instrumentos de proteção de recebíveis disponíveis no mercado.

Pior que não vender, é vender e não receber. Pense nisso!

Saiba mais sobre Seguro de Crédito.

Faça uma consulta.

 

Luiz Mauricio Janela

Diretor Executivo da Global Opsi Corretora de Seguros

www.globalopsi.com

ANS disponibilizou o novo Caderno de Saúde Suplementar

logo_global_opsi[1]

�

�

�

ANS DISPONIBILIZOU O NOVO CADERNO DE

SA�DE SUPLEMENTAR

EDI��O DE DEZEMBRO DE 2015

Est� dispon�vel para consulta a edi��o de dezembro de 2015 do Caderno de Informa��es da Sa�de Suplementar. A publica��o da ANS compila dados e apresenta an�lises que mostram o perfil

do setor � como n�mero de benefici�rios e de operadoras e planos de sa�de, rede de servi�os e demandas dos consumidores -, al�m de informa��es sobre �ndices de pre�os e normativos recentemente publicados pela ag�ncia reguladora.

Esta edi��o utiliza a base de dados relativa a setembro de 2015. Na data, a ANS contabilizou 50,3 milh�es de benefici�rios em planos de assist�ncia m�dica e 21,9 milh�es em planos exclusivamente odontol�gicos distribu�dos em um total de 1.173 operadoras; e 33.767 planos de assist�ncia m�dica com benefici�rios, sendo 18.262 coletivos e 15.505 individuais.

Clique aqui e confira a publica��o no site da ANS.

 

Global Opsi Corretora de Seguros

www.globalopsi.com

Ocorreu o Sinistro. E agora?

logo_global_opsi[1]

OCORREU O SINISTRO. E AGORA?

A IMPORT�NCIA DA CORRETORA DE

SEGUROS.

A ocasi�o do sinistro � de fato, quando uma Corretora de Seguros mostra o seu valor. Esse � um dos momentos mais importantes para o segurado, pois acaba de sofrer um preju�zo, um dano.

O tamanho do impacto no neg�cio, tanto financeiro, quanto reputacional, pode variar muito e causar grandes transtornos a empresa segurada. O que ela precisa nesse momento � suporte, para ter a tranquilidade essencial para seguir em frente.

Nunca se sabe, quando ou onde v�o ocorrer, os sinistros podem ser muito variados e de grandes propor��es, com v�timas ou n�o, tais como: contamina��es ambientais, inc�ndios nas instala��es, acidentes com aeronaves, embarca��es, caminh�es ou composi��es ferrovi�rias, dano ou roubo de mercadorias e tantas outras situa��es que podem afetar o dia-a-dia da empresa segurada.

O papel de uma Corretora de Seguros � assessorar o Segurado em todos os passos que envolverem a regula��o de sinistros cobertos pelo programa de seguros contratado, desde o momento em que se tomou ci�ncia da ocorr�ncia at� a liquida��o do sinistro.

Principais atividades:

  • An�lise preliminar da ocorr�ncia;
  • Orienta��o ao Segurado sobre as provid�ncias que devem ser tomadas rapidamente;
  • Notificar a seguradora sobre o ocorrido e agendar a inspe��o no local;
  • Acompanhar o trabalho de campo;
  • Informar ao segurado sobre os procedimentos, documentos necess�rios e etapas do processo;
  • Interagir com a equipe da empresa segurada na elabora��o da reclama��o do preju�zo ocorrido;
  • Manter interlocu��o cont�nua com a seguradora;
  • Agendar reuni�es de esclarecimento sobre o sinistro, buscando a solu��o para poss�veis impasses.

Desde o in�cio do processo a corretora deve ajudar o Segurado a capturar o m�ximo de informa��es, para que posteriormente se possa fazer as an�lises necess�rias, a fim de evitar novos sinistro pela mesma causa. O ideal � alimentar o banco de dados de um sistema de gerenciamento de sinistros. Algumas Corretoras de Seguros fornecem o sistema, sem custos, para seus clientes.

O trabalho da�Global Opsi, e de seus parceiros, se inicia com o entendimento dos neg�cios dos nossos clientes e sobre a gest�o interna de riscos, identificando e avaliando todos os riscos inerentes ao neg�cio. Ap�s esta etapa, s�o fornecidas recomenda��es sob medida do que � considerado o mais adequado ao perfil de cada empresa.

Fa�a uma consulta. Pense nisso!

 

Luiz Mauricio Janela

Diretor Executivo da Global Opsi Corretora de Seguros

www.globalopsi.com